premierbet.co.ao

Agência Pará
Agência Pará
pa.gov.br
Ferramenta de pesquisa
ÁREA DE GOVERNO
TAGS
REGIÕES
CONTEÚDO
PERÍODO
De
A
COMUNICAÇÃO

Elogiada por especialistas, Equoterapia traz melhorias para pacientes autistas

Localidade: Diversas localidades
02/04/2018 9h34
">
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ
">
Hoje, além de João Vitor, outras 79 crianças são atendidas pelo programa, que existe há mais de 20 anos no Pará. Entre pacientes com paralisia cerebral, Síndrome de Down e outras patologias, grande parte possui Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Ao todo, são 27 crianças nessas condições. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ
">
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ
">
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ   |   Download
">
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ
Hoje, além de João Vitor, outras 79 crianças são atendidas pelo programa, que existe há mais de 20 anos no Pará. Entre pacientes com paralisia cerebral, Síndrome de Down e outras patologias, grande parte possui Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Ao todo, são 27 crianças nessas condições. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ   |   Download
">
Hoje, além de João Vitor, outras 79 crianças são atendidas pelo programa, que existe há mais de 20 anos no Pará. Entre pacientes com paralisia cerebral, Síndrome de Down e outras patologias, grande parte possui Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Ao todo, são 27 crianças nessas condições. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ
Hoje, além de João Vitor, outras 79 crianças são atendidas pelo programa, que existe há mais de 20 anos no Pará. Entre pacientes com paralisia cerebral, Síndrome de Down e outras patologias, grande parte possui Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Ao todo, são 27 crianças nessas condições. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ   |   Download
">
Hoje, além de João Vitor, outras 79 crianças são atendidas pelo programa, que existe há mais de 20 anos no Pará. Entre pacientes com paralisia cerebral, Síndrome de Down e outras patologias, grande parte possui Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Ao todo, são 27 crianças nessas condições. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ   |   Download
">
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ
Hoje, além de João Vitor, outras 79 crianças são atendidas pelo programa, que existe há mais de 20 anos no Pará. Entre pacientes com paralisia cerebral, Síndrome de Down e outras patologias, grande parte possui Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Ao todo, são 27 crianças nessas condições. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ   |   Download
">
Hoje, além de João Vitor, outras 79 crianças são atendidas pelo programa, que existe há mais de 20 anos no Pará. Entre pacientes com paralisia cerebral, Síndrome de Down e outras patologias, grande parte possui Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Ao todo, são 27 crianças nessas condições. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ   |   Download
">
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ   |   Download
">
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ
Hoje, além de João Vitor, outras 79 crianças são atendidas pelo programa, que existe há mais de 20 anos no Pará. Entre pacientes com paralisia cerebral, Síndrome de Down e outras patologias, grande parte possui Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Ao todo, são 27 crianças nessas condições. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ   |   Download
">
Hoje, além de João Vitor, outras 79 crianças são atendidas pelo programa, que existe há mais de 20 anos no Pará. Entre pacientes com paralisia cerebral, Síndrome de Down e outras patologias, grande parte possui Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Ao todo, são 27 crianças nessas condições. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ   |   Download
">
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ   |   Download
">
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo (foto), mãe de João Vitor, de 10 anos, paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ   |   Download
">
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo (foto), mãe de João Vitor, de 10 anos, paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos, paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. Na foto, o tenente coronel Márcio Fernandes, diretor da Unidade de Reabilitação da PMPA, exalta o trabalho. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ   |   Download
">
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos, paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. Na foto, o tenente coronel Márcio Fernandes, diretor da Unidade de Reabilitação da PMPA, exalta o trabalho. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ   |   Download
">
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ
Hoje, além de João Vitor, outras 79 crianças são atendidas pelo programa, que existe há mais de 20 anos no Pará. Entre pacientes com paralisia cerebral, Síndrome de Down e outras patologias, grande parte possui Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Ao todo, são 27 crianças nessas condições. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ   |   Download
">
Hoje, além de João Vitor, outras 79 crianças são atendidas pelo programa, que existe há mais de 20 anos no Pará. Entre pacientes com paralisia cerebral, Síndrome de Down e outras patologias, grande parte possui Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Ao todo, são 27 crianças nessas condições. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ   |   Download
">
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ   |   Download
">
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ   |   Download
">
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ   |   Download
">
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ   |   Download
">
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos (foto), paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos, paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. Na foto, o tenente coronel Márcio Fernandes, diretor da Unidade de Reabilitação da PMPA, exalta o trabalho. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ   |   Download
">
“Quando recebi a indicação de terapeutas e médicos de que meu filho autista deveria fazer equoterapia, não imaginava que conquistaríamos resultados tão maravilhosos, que ele começaria a interagir, perder o medo dos animais, melhorar a postura e ter mais autonomia”. O depoimento emocionado é de Isabel Melo, mãe de João Vitor, de 10 anos, paciente do Programa de Equoterapia, realizado pela Polícia Militar do Pará. Na foto, o tenente coronel Márcio Fernandes, diretor da Unidade de Reabilitação da PMPA, exalta o trabalho. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 02.04.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ
mais galerias de fotos
premierbet.co.ao Mapa do site